Nosso Blog

Informações úteis para você ficar atualizado

Hemiplegia após AVC em 2021

Entenda o que é e como a hemiplegia e a hemiparesia estão associados ao AVC 

 

hemiplegia ou hemiparesia são os quadros mais comuns em pacientes com Acidente Vascular Cerebral (AVC). Eles correspondem a uma alteração neurológica que leva a paralisia de uma das metades do corpo, ou seja, ocorre de um lado específico. 

Existe uma diferença entre os dois termos, entretanto eles são usados frequentemente como sinônimos. A hemiplegia é mais grave que a hemiparesia, uma vez que a primeira se refere à impossibilidade total de se movimentar, enquanto que a segunda corresponde apenas à dificuldade de movimentar uma parte do corpo. 

A hemiplegia é originada como consequência de uma paralisia cerebral, decorrente do AVC. Esse quadro traz diversas consequências para o paciente, sendo a intervenção médica precoce extremamente importante para melhorar a qualidade de vida das pessoas com hemiparesia. 

 

O que é um AVC? 

O Acidente Vascular Cerebral (AVC), atualmente adaptado a uma nova nomenclatura, Acidente Vascular Encefálico (AVE), e popularmente conhecido como “derrame”, corresponde a um quadro de interrupção do fornecimento de sangue e, consequentemente, de oxigênio ao cérebro ou encéfalo. 

Saber reconhecer quando uma pessoa está tendo um AVC é importante para a agilidade da procura de um serviço médico, a fim de intervir e prevenir a morte.  

Existem alguns sinais comuns que podem indicar o início desse quadro, sendo a mais comum a perda súbita da força e dormência ou formigamento em um dos lados do corpo.  

 

Outros sinais também podem ser sintomas prévios associados a um quadro de AVC, como: 

  • Perda visual; 
  • Dor de cabeça intensa; 
  • Tontura ou desequilíbrio súbitos; 
  • Dificuldade repentina de falar ou compreender o que se fala; 

Quais as causas do AVC? 

As causas que levam ao acontecimento de um AVC são muito diversas, sendo que a hipertensão, diabetes, hipercolesterolemia (colesterol alto), idade avançada e comportamentos de risco (tabagismo) são as mais comuns. 

Esse quadro pode desencadear diversas consequências para o indivíduo, sendo uma delas a hemiplegia ou hemiparesia. 

 

Quais as causas da hemiplegia e hemiparesia? 

Apesar de o AVC ser a causa mais comum, existem diversas outras circunstâncias que podem levar ao desenvolvimento desse quadro. De modo geral, pode-se resumir a hemiplegia ou hemiparesia à lesão cerebral, que, por sua vez, pode ser causada por diversos fatores, como: 

  • Hemorragia; 

  • Embolia; 
  • AVC; 
  • Meningite; 
  • Doenças infecciosas, entre outros.  

Por isso, é importante entender mais sobre cada uma dessas doenças e complicações, buscando evitá-las sempre que possível. 

Quais os sintomas da hemiplegia e hemiparesia? 

Existem diversos sintomas associados a esse quadro, sendo os principais a diminuição da sensibilidade do lado afetado e a dificuldade ou impossibilidade de realizar movimentos. 

 

Alguns outros achados comuns de quem é afetado pelo “derrame” (AVC) são:  

  • Boca torta, pela contração de um dos lados do rosto; 
  • Alterações posturais; 

  • Dificuldade de realizar tarefas não só de movimento, mas também de planejamento. 

Existem outros diversos sintomas, mas eles variam de pessoa para pessoa, podendo ser mais graves ou mais leves. Independente de qual seja o caso, é importante se consultar sempre com um neurologista, a fim de planejar estratégias para melhora do quadro e, consequentemente, da qualidade de vida. 

É importante que a procura por um médico seja feita o mais rápido possível, uma vez que a intervenção precoce pode possibilitar melhores resultados. 

 

Qual tratamento para hemiplegia e hemiparesia? 

O tratamento, assim como os sintomas, é variado. Isso porque, a depender das causas, da gravidade do quadro e do tipo de sintoma, as intervenções serão diferentes. Entretanto, é possível estabelecer alguns tratamentos principais que incluem fisioterapia e uso do bo tox.  

A fisioterapia  busca melhorar a mobilidade dos membros, proporcionando maior independência locomotora para o indivíduo. No caso do bo tox, ele é aplicado com objetivo de diminuir contrações contínuas musculares que levam à espasticidade.  

Esses tratamentos são extremamente importantes, pois eles contribuem para o aumento da autonomia do paciente, proporcionando um impacto significativo na qualidade de vida. 

É importante também investigar a causa que levou ao aparecimento da hemiplegia ou hemiparesia, a fim de também intervir na origem causadora do problema. Dessa forma é possível evitar comprometer ainda mais a saúde e o bem-estar do indivíduo. 

 

Como funciona o Bo tox no alívio da fraqueza e da rigidez causadas pelo AVC?

A toxina bot ulinica permite o relaxamento da musculatura rigida (espástica), proporcionando alivio da dor, alguma melhora de função e melhores condições para realização de fisioterapia.

 

Caso perceba sintomas de hemiplegia ou hemiparesia consulte-se urgentemente com um neurologista.  

Se tiver interesse em saber mais sobre o tratamento para hemiplegia e hemiparesia com uso de bo tox, entre em contato com a Neurologia Integrada e agenda já sua consulta! 

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você sofre com enxaqueca?

Então vem conhecer o primeiro método
ENXAQUECA-KILLER!